sexta-feira, 8 de fevereiro de 2019

                     Comemorações do Dia do Agrupamento

                                 Escolas Carlos Amarante

                                                               22 de janeiro de 2019

Oficina Granada de Sementes 


Na Escola Básica (2/3) de Gualtar, em Braga, realizou-se no Dia do Agrupamento, 22 de janeiro de 2018, uma oficina de “granadas de semente” de espécies autóctone (carvalho, sobreiro e azinheira), envolvendo todos os alunos do sexto ano de escolaridade.













Inicialmente, a Professora Fátima Gaspar, coordenadora do Projeto Eco Escolas, deu a conhecer aos alunos, através de um pequeno vídeo os objetivos do Projeto, esclarecendo os alunos sobre as várias fases da realização da atividade que se seguiria.
           








Nesta oficina, cada turma, dividida em pequenos grupos, teve a oportunidade de moldar pequenas bolas resultantes de uma mistura de terra, argila, água, e sementes de leguminosas  que envolvem as bolota  ou as castanhas que queremos ver germinar.
         Os alunos arregaçaram (literalmente!) as mangas, com grande entusiasmo e alegria contagiante. 








Depois de devidamente moldadas, estas “granadas de semente” seriam atiradas para os locais a reflorestar no concelho, aumentando a probabilidade de virem a crescer árvores folhosas nesses terrenos.


Após serem atiradas para os solos, as sementes das leguminosas presentes germinam rapidamente fixando a granada ao solo e enriquecem-no, simultaneamente, em nutrientes,
A humidade da granada irá favorecer a germinação mais lenta da semente autóctone.




Para saber mais:


Masanobu Fukuoka

O agricultor e filósofo japonês
revolucionou a agricultura.
Não lavrou os campos, não mondou, não
podou as árvores, renunciou herbicidas
e adubos químicos, não semeou
ordenadamente em filas.

As suas colheitas foram
abundantes, a sua terra estava
em perfeito equilíbrio,
flora e fauna eram
diversificadas
e exuberantes.





           

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2019



           Comemorações do Dia do Agrupamento 

                        Escolas Carlos Amarante


No âmbito das Comemorações do Dia do Agrupamento de Escolas Carlos Amarante, a biblioteca da EB1 de Gualtar, promoveu uma série de atividades com vista a consciencializar os alunos de forma lúdica e divertida para a questão ambiental.

Os alunos foram convidados a refletir e a agir em prol do ambiente, sendo uma das atividades, a entrevista realizada pelos alunos João Antunes e Carolina Gonçalves, do terceiro ano, à professora coordenadora do programa Eco-Escolas da Escola Básica de Gualtar. Uma entrevista muito elucidativa, em que foi explicitada não apenas a génese do programa Eco Escolas, mas onde foram igualmente explicados os principais objetivos do projeto, as atividades desenvolvidas e os projetos em curso. Os alunos compreenderam igualmente o valor e significado da Bandeira Verde e congratularam-se por fazerem parte de um AE merecedor de um símbolo tão ecológico.



Para além da entrevista ouvida na rádio Antena Minho, os alunos visualizaram e discutiram curtas metragens sobre a temática ambiental, relacionadas sobretudo com o mar e a poluição marítima, e exploraram o livro O Médico Do Mar, de Leo Thimmers, como forma de se consciencializarem de que todos somos necessários na defesa do nosso planeta.


 Mural construído pelos alunos do 3º ano da turma GUA7
                     
EB1 S. Mamede


EB1 S. Mamede


Deste trabalho de análise e interpretação, resultou a produção de painéis alusivos ao mar, criados pelos alunos nas diferentes escolas de 1º ciclo do AE Carlos Amarante.Para além do conhecimento adquirido, sublinha-se o envolvimento dos alunos e a sua preocupação em proteger os oceanos, lugar mágico cheio de vida e com tanto para descobrir!





https://bibliotecagualtareb1.blogspot.com/






domingo, 2 de dezembro de 2018

"Azevinhos à Vista!"

Global Action Day 

Dia da Floresta Autóctone, 23 novembro 


O Global Action Day constitui uma excelente oportunidade para mostrar ao mundo as diversas atividades que diariamente realizamos em prol do ambiente e para inspirar e motivar na progressão do agir pela sustentabilidade.




No dia em que se comemora “Dia da Floresta Autóctone” (23 de novembro) a Câmara Municipal de Braga, organizou um conjunto de atividades de plantação de floresta autóctone na Escola Secundária Sá de Miranda, visto ser uma escola na cidade com maior área verde, e com espaço e necessidade de plantações, melhorando a qualidade do ar e reduzindo a ilha de calor da cidade. 

No dia 23 de novembro de 2018, dia em que se celebra a Floresta Autóctone, a turma do 6ºA e alunos do 7ºA e 8ºB e C da Escola Básica de Gualtar (2/3), acompanhados pelas professoras Fátima Gaspar (coordenadora do projeto Eco Escolas), Fátima Sá e Raquel Malheiro, com a colaboração da Câmara Municipal de Braga, deslocaram-se à Escola Secundária Sá de Miranda, para plantação de espécies nativas nacionais, concretamente, azevinhos (Ilex aquifolium), delineando uma sebe que, dentro de sensivelmente cinco anos, se prevê luxuriante e festiva
Inicialmente, foram retirados alguns azereiros (Prunus lusitanica),  para posterior transplante para outro local.
 Como se trata da frontaria da Escola, uma imagem de marca do estabelecimento de ensino mais antigo da «Cidade dos Arcebispos», decidiu-se pela plantação de uma espécie mais rica e dignificante, uma espécie autóctone. Inserido em plena malha urbana, o edifício secular absorve toda a carga poluente da circulação rodoviária, que se revela muito intensa nessa zona de entrada citadina.
Presentes estiveram também as crianças e educadores dos Jardins de Infância de Tadim que, arregaçando as mangas, fizeram «granadas de sementes» de bolotas e plantaram aromáticas, tais como alfazema e alecrim, para criação de um jardim de plantas aromáticas e medicinais.
Após essa jornada verde, um pequeno lanche revigorante foi oferecido a todos.
No final, os alunos das turmas de Gualtar visitaram ainda o Museu da Escola Secundária Sá de Miranda, enriquecendo assim a sua visita de estudo em prol do ambiente e da sustentabilidade, com um contacto estreito com um espólio maravilhoso de ciência usado, noutros tempos, em contexto educativo.
Video:

 Fotos:





















" Global Action Day"

                           na Escola E.B. 2,3 de Gualtar, Braga



       O “Global Action Day” é uma iniciativa de organizações ambientais como a ABAE (Associação da Bandeira Azul da Europa), Eco-Escolas e a FEE (Fooundation for Environmental Education- Fundação para a Educação Ambiental), que tem como objetivo que cada escola celebre, durante um dia, com um determinado conjunto de actividades, e conforme sugere a tradução do nome do próprio projeto, o dia de ação global, um dia para agir e relembrar tudo o que tem sido feito a nível da proteção ambiental nas escolas envolvidas no projeto.

Celebrou-se, no dia 7 de Novembro, o “Global Action Day” na escola E.B. 2,3 da freguesia de Gualtar, concelho e distrito de Braga.
No “Global Action Day” da escola de Gualtar, e nas atividades que este envolveu, estiveram presentes vários alunos de toda a escola, as professoras responsáveis pelo projeto, Fátima Gaspar, Raquel Malheiro, Fátima Sá, a diretora da escola,  Prof.ª  Caetana Filomena, a diretora do agrupamento de escolas Carlos Amarante, Prof.ª Hortense Santos, e também, o vereador do ambiente da Câmara Municipal de Braga, Dr.º Altino Bessa,  a engenheira Cristina Costa da Câmara Municipal de Braga, Pelouro do ambiente.
 Em Gualtar, o “Global Action Day” tinha como principal atividade, a produção de “granadas de sementes", mas que infelizmente devido às más condições climatéricas  tiveram de ser canceladas, mais propriamente adiadas. ( pois estava tudo preparado para ser desenvolvido no átrio exterior da Escola)

As “granadas de sementes” são pequenas esferas, elaboradas através de uma semente à escolha, argila, terra, água e sementes de tremocilha ou leguminosas. Procede-se à mistura destes componentes, e, depois, forma-se uma esfera, com tamanho aproximado ao de um ovo. De seguida, as granadas são armazenadas numa caixa, e, alguns dias depois, podem ser lançadas num terreno apropriado, para que depois, preciosas árvores ganhem vida.



Seguidamente, procedeu-se ao hastear da bandeira “Eco-Escolas” 2017-2018, que foi mais uma vez atribuída à escola pela organização de mesmo nome, e que é, no fundo, um certificado do trabalho ecológico levado a cabo por esta e pelos seus alunos, durante o ano lectivo anterior. A cerimónia teve lugar no átrio interior da escola, e a ela assistiram todos os participantes do “Global Action Day”.

Enquanto a bandeira se erguia pelas mãos de um dos alunos envoltos no projeto, o coro da escola, com alunos do 5º ano, e sob a coordenação da professora de educação musical Ana Paula Matos, brindava os presentes com a interpretação do hino escolar. No final, discursou o vereador do ambiente da Câmara Municipal de Braga. As palavras de todos foram de parabenização pelo feito conquistado, e de incentivo, para que os alunos continuem o seu trabalho, em busca de um mundo mais sustentável.


Em suma, este foi um dia de celebração e de relembrar tudo aquilo que a escola tem feito pelo ambiente. Após as atividades e os discursos, chegou-se ao consenso de que a escola E.B. 2,3 de Gualtar, os seus alunos e professores, estão de parabéns por todo o seu trabalho, e, com certeza, não irão baixar os braços neste ano letivo. São, por isso, um exemplo vivo de como ajudarmos a natureza, e salvarmos a geração futura de um padrão de uma enorme e catastrófica, insustentabilidade ambiental.  













“O mar que temos, o mar que queremos!”




     Nas últimas semanas, a turma 8ºB da Escola Básica de Gualtar, em Braga, encontrou-se envolvida num projeto sobre a sustentabilidade dos oceanos, com o objetivo de melhor conhecer, divulgar e alertar a comunidade educativa para as problemáticas ambientais que atingem, cada vez mais, os ambientes marinhos. Pretendeu-se com esta intervenção promover uma maior tomada de consciência do impacto da ação humana nos oceanos e contribuir para o “abrir dos olhos” dos mais jovens aos adultos de forma a serem adotados comportamentos de cidadania ativa.
 A proposta partiu da disciplina de Ciências Naturais com o objetivo de assinalar o Dia Nacional do Mar – 16 de novembro - mas resultou da articulação com o Parlamento dos Jovens, cujo tema este ano é “Alterações Climáticas – Salvar os oceanos”, com o Projeto Eco-Escolas e com o Jovens Repórteres do Ambiente.
 A turma 8B, que se mostrou sempre empenhada na pesquisa e na construção do mural “ O mar que temos, o mar que queremos!” irá defender a temática em causa no Parlamento dos Jovens do Ensino Básico, refletindo sobre a situação atual dos oceanos e apresentando medidas concretas para os preservar. Assim, espera fazer a diferença no sentido de levar a que todos deixemos de poluir, e assumirmos comportamentos/atitudes preventivos no nosso dia a dia, a saber: pôr em prática efetiva a política dos 3’R (Reduzir, Reciclar e Reutilizar), recusando o uso de palhinhas e balões e evitando, tanto quanto possível, os produtos embalados e os sacos de plástico, preferir os alimentos produzidos localmente, poupar electricidade, preferir deslocar-se a pé, de bicicleta ou transportes públicos.
O mural, exposto na Biblioteca da escola serviu de cenário ao debate do Parlamento dos Jovens, que contou como convidado especial o Biólogo Pedro Gomes, da Universidade do Minho, tem vindo a ser visitado e explorado pelos os demais alunos com os seus professores. Nele se ilustra “No mar que temos”, algumas das principais problemáticas que afetam a sustentabilidade dos oceanos como é o caso dos plásticos, dos microplásticos, das marés negras, da acidificação dos oceanos e da pesca de arrasto. Do outro lado do mural, “No mar que queremos”, reina o equilíbrio, a biodiversidade e o futuro das gerações vindouras.

                       NÃO SE ESQUEÇA QUE:

  “O mar que temos JÁ NÃO É o mar que queremos !!!





 
 
      

Se quer ajudar a salvar o MAR , a sua biodiversidade e a si próprio, AJA JÁ com CONSCIÊNCIA e RESPONSABILIDADE.

Maria Clara Alves da Costa, n.º 20, 8.º B


Galeria de Fotos:



















Cerimónia de entrega de galardões e Bandeiras Verdes

No pretérito dia 4 de outubro de 2018, um quente dia outonal, realizou-se o Encontro Nacional de Eco-Escolas, na cidade de Pombal, para entrega dos galardões e Bandeiras Verdes.
Dinamizada pela ABAE, Associação de Bandeira Azul da Europa, em consonância com  a Câmara Municipal de Braga, Pelouro do Ambiente, (assim como outros municípios), a nossa jornada envolveu um grupo de 50 alunos e professores bracarenses, de várias Escolas do concelho, numa atividade integradora que durou todo o dia.
As atividades foram iniciadas com vários “Stand” de Eco-Mostra.
                A sessão de abertura oficial foi aberta por José Archer (Presidente da ABAE); Ana Cabral (Vereadora da Educação da CM de Pombal);  José Vítor Pedroso (Diretor Geral da DGE); Célia Ramos (Secretária de Estado do Ordenamento do Território e da Conservação da Natureza).
Foi apresentado o programa Eco-Escolas: uma estratégia de educação para a Cidadania.
Seguidamente, procedeu-se ao balanço 2017/18: o reconhecimento das “Escolas Madrinhas 2017/2018”, assim como os “Eco-Agrupamentos 2017/2018” (100% Eco-Escolas).
Relativamente às atividades 2017-18, foram distribuídos os prémios: Geração Depositrão; Roupas Usadas, não estão acabadas; Alimentação Saudável e Sustentável; Hortas Bio nas Eco-Escolas; Desafio Tetrapak; Desafio UHU; Concurso Nacional Poster Eco-Código; Brigada Verde da Floresta.
Após o almoço, num ambiente descontraído de piquenique, teve lugar o clímax da sessão: o espectáculo com o cantor convidado Paulo Sousa! Miúdos e graúdos, todos vibraram com as canções entoadas em coro, dançando animadamente e batendo palmas.
Finalmente, a esperada “Entrega das bandeiras Verdes 2017/2018”, a cerimónia oficial de reconhecimento do trabalho desenvolvido.
                No término da sessão, procedeu-se à distribuição do lanche e kit de materiais às crianças e jovens participantes.